Semana Mundial da Amamentação- Exemplo de determinação e amor!


 Estamos na semana Mundial da Amamentação e sempre valorizei muito este momento, bom para a mãe e melhor ainda para o bebê.
Eu não tive problemas para amamentar a Bia, lembro que eu estava me recuperando da anestesia, quando a enfermeira colocou a Bia no meu peito e logo começou a mamar
Sei que nem sempre  é tão simples assim, mas é fundamental que todas as mães sejam informadas e orientadas sobre a importância do aleitamento materno.
Hoje trago o depoimento emocionante da minha irmã, que fez questão de amamentar mesmo passando por um momento muito delicado!

"Meu nome é Sabrina Machado, eu tenho 35 anos, sou casada e tenho um filho lindo, o Vicente.


Aos 32 anos eu parei de tomar pílula e comecei a tentar engravidar, engravidei a primeira vez em
setembro de 2010 e perdi em outubro, esperamos um pouco e começamos a tentar de novo, em março de 2011 engravidei pela segunda vez e antes do final desse mesmo mês eu perdi o meu segundo bebê, no começo de 2012, eu queria esperar mais um pouco pra tentar de novo, mas Deus sabe das coisas e mesmo eu achando que não era a hora, ele me mostrou que sim, essa era a hora certa, e depois de 9 meses de uma gravidez um pouco complicada, o Vicente chegou, lindo e grandão, igual ao pai, e é aí que começa a nossa história de amamentação...
Logo após o parto, eu recebi a notícia, ainda na sala de cirurgia, que o Vicente tinha ido para aUTI, com dificuldade para respirar, todos me tranquilizaram, dizendo que isso era comum e que ele sairia em 24 horas, mas não foi assim que aconteceu, em 2 dias o quadro dele piorou, teve um pneumotórax e foi entubado, ficando em um estado bem grave.
Mesmo passando pelos piores momentos da minha vida, eu consegui, o leite desceu, veio o colostro e a cada dia que passava os potinho de leite iam aumentando a quantidade, 10 ml, 50 ml, 120ml, 140ml, graças a ajuda da Equipe do lactário da Pro Matre, eu não parei de incentivar a minha produção de leite, foi difícil, foi sofrido, mas eu sabia que cada gota do meu leite ia ajudar o meu Vicente a se recuperar, eu tinha certeza que ele ia sair dessa e que ele precisaria muito desse leite, não desisti, de 3 em 3 horas eu tirava o leite com a bomba elétrica e eles guardavam, eu me dividia entre ficar com ele, olhando, cantando e segurando na mãozinha dele com o tempo de  ir até o lactário fazer
a “ordenha”, a primeira fase dessa luta durou 7 dias, quando finalmente eu pude pegar meu filho no colo, e de verdade, foi o momento mais maravilhoso da nossa vida, mais até do que no parto, pois pra nós, o Vicente estava renascendo, nunca vou esquecer aquele chorinho que parou logo que ele encostou em mim, aquele olhar, que me reconheceu e parecia que gritava, é a minha mamãe!

                         
Nesse mesmo dia, o Vicente mamou a primeira vez, todos estavam preocupados, a equipe
toda veio me ajudar, me avisando, olha, é normal o bebê não pegar de primeira, não fique triste se isso acontecer, bem, pra mim, chegar até ali depois de tudo, já tinha sido uma vitória, então mesmo que ele demorasse pra pegar, essa seria apenas mais uma das nossas lutas. Para a surpresa de todos, ele pegou, pegou com tanta força e com tanta vontade que teve que ser tirado do meu peito, pois todos ficaram preocupados com a respiração dele, que ainda não  estava 100%, e eu sai da UTI aos prantos, queria amamentar ele até a hora que ele quisesse, mas sabia que não podia ser assim ainda... O tempo foi passando e depois de mais 7 dias de UTI de vitórias, ele passou pra semi intensiva e nesse  momento ele já estava mamando tanto que não sobrava quase nada para tirar no  lactário,mas eu insisti, pq mesmo ele não precisando mais, eu queria deixar o meu leite no banco de leite para quem precisasse.



Depois de 1 dia na semi intensiva, totalizando 15 dias de hospital, finalmente fomos todos para casa, eu cheia de medos, mas com a certeza que deixaria o Vicente mamar quando ele quisesse e o tempo que ele quisesse, e ele mamava, com toda a força que ele podia, parecia que queria compensar o tempo que ficamos distantes, assim o meu vencedor foi crescendo e ganhando peso e essa semana, nós terminamos mais uma fase, ele agora com quase 10 meses, já não estava ficando satisfeito com o meu peito e me usava mais como chupeta do que como mamadeira, e eu, insisti muito, sofri demais, queria que ele continuasse aqui, mamando na mamãe por muito, muito tempo, mas meu menino está crescendo, e eu preciso entender que essa fase passou.
Eu sei que uma nova fase está apenas começando, mas sinto saudade do meu bebezinho, que só queria saber do mamá da mamãe...

Quando a gente tem um filho, a gente mais aprende do que ensina, e o Vicente faz isso, todos os dias, me ensina a ser paciente, a ser mais criativa, a ser mais firme, a ser mais eu, porque quanto mais eu sou eu, mais ele fica feliz.

E dentro de todas as nossas experiências juntos, amamentar foi a mais intensa delas, porque pra mim, amamentar foi muito mais do que alimentar uma criança, amamentar alimentou a minha esperança e marcou a minha vida, marcou a nossa vitória, a vitória da vida.

Obrigada meu filho, eu te amo."



Comentários
7 Comentários

7 comentários:

  1. Minhas filhas são anjos que DEUS me deu e que só me deram alegria.São fortes,são meigas são serenas e são batalhadoras como a mãe.
    Me deram presentes que me ajudam a enfrentar as dificuldades da vida; BEATRIZ e VICENTE.
    Amo muito vocês pois são templos de amor e carinho.

    papai e vovô

    ResponderExcluir
  2. Que história linda! Eu não consegui amamentar muito o Murillo por causa de um antibiótico, muitas vezes o que nos falta é isso, informação sobre a importância desse período de amamentação.

    ResponderExcluir
  3. eii.. primeira visitinha...
    Lindo post... realmente pra mim também a amamentação foi a parte mais importante pra mim e para o Miguel! É onde ninguém sente o que a mãe e filho sente... uma ligação inexplicável e incomparável... aiai me deu até saudade ! rsrsrs

    Conheça o meu blog..

    http://diariomaedeprimeiraviagemtatty.blogspot.com.br/

    bjoo

    ResponderExcluir
  4. Que post mais lindo. E, para finalizar, esse fofo sorrindo!
    Adorei!
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Adorei conhecer essa história linda, eu também amamentei desde a hora da recuperação do parto, amamentar é um momento maravilhoso entre mãe e filho, sem explicação.

    Beijos
    Quézia Silva
    http://kemuelpresentededeus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá Sabrina, meu Miguelito também nasceu na ProMatre e teve que permanecer por 13 dias na UTI Neonatal. E só no quinto dia puder pegá-lo no colo e amamenta-lo. Lembro como foi difícil carrega-lo por 35 semanas e 6 dias na barriga, inseparavelmente, e depois do nascimento ansiava pra ficar perto dele, o vazio que sentia, mais a preocupação por ele estar na UTI e sem a idéia de saber quando poderia leva-lo pra casa. Mas o pessoal do lactário também me ajudou muito. Lembro de ter tido muito leite, eu tirava leite de 3 em 3 horas para ele receber pela sonda e também dava o peito em 6 mamadas de 8 que ele tinha. Foi puxado e cansativo devido a cesárea, mas valeu a pena. Fiquei triste porque usei o bico intermediário e ele começou a ter muitos gases, então iniciei uma nova fase da amamentação sem o bico e diminuindo o complemento. Não sei o porque a minha produção de leite foi diminuindo e de repente parei de produzir o leite. Muito triste, mas ainda fico grata por ter conseguido amamenta-lo por 3 meses. As mães da UTI são lutadoras, muitas histórias de mães e filhos que enfrentam muitas coisas. É isso aí foi bom compartilhar com você a minha história, Parabéns pelo Vicente, ele é lindo!!!! Que Deus o abençoe. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Linda demais sua luta, linda vitória. Mais o mais lindo de tudo isso é esse sorriso maravilhoso do VICENTE! Vc é uma guerreira e consegiu!!!! Deus abençoe vcs!!!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita!!
Deixe sua mensagem, dúvida ou opinião, que ficarei muito feliz em responder!